19 de fev de 2010

Ensaio IV

Ensaio
Ensaio II
Ensaio III
Ensaio IV

Ensaiara seu melhor sorriso por quase meia hora na frente do espelho. Tinha que parecer feliz pelos seus melhores amigos.

Até que acostumara-se a ideia de vê-los juntos. No início, de fato, foi muito difícil. Amava-o. Ou ao menos achava que o amava. Mas o amor deles era tão perfeito e bonito, que encontrara paz, após alguns meses, dizendo para si mesma que não o amava tanto quanto ela. Pareciam um daqueles raros casais que começavam a namorar na adolescência e envelhecem juntos.

Considerava-se quase adulta por conseguir pensar assim.

Seu pai, que também era sua mãe e gostava de rimas, lhe aconselhava: ''Sofia, acalma tua alma, o amor é nesse leva e trás. Ele sabe o que faz. Sei que vais descobrir, mais cedo ou mais tarde, o teu rapaz.''

Mas ela permanecia inquieta. Talvez por não saber o quão mais cedo ou tarde ele viria. Talvez fosse o retumbante vazio que carregava consigo para todos os lados.

Na verdade, achava ser o amor de seus melhores amigos o único verdadeiro que veria na vida real, fora dos filmes e dos textos literários. Todos os outros casais lhe pareciam vazios.

Meses atrás, naquele último carnaval, sua conclusão fora reforçada. Saia às ruas, e todos desejavam os prazeres de sua carne, afinal, era a festa da carne. Cedia aleatoriamente. Mas a cada beijo que permitia lhe roubarem, parecia perder mais um pequeno pedaço de sua alma. A cada vez sentia-se mais sozinha, mais indivíduo, e o vazio crescia dentro dela.

Parecia que nunca mais amaria alguém.

Era nesse momento que se considerava ainda adolescente, ou melhor, criança. Seriam todos os adultos assim, vazios?

4 comentários:

érica disse...

Nossa... Me identifiquei bastante com esse texto. 13 anos... vivendo o fim do mundo todos os dias.
Hoje eu sou mais adulta e continuo vivendo um armagedon diário.
Vai entender!

Marcela disse...

Já tava deprimida, tô na vala... é sempre assim. Eu sou a regra, quero ser exceção um dia

Carol disse...

Hahahaha, chega a ser engraçado ler esse texto no dia de hoje! Mesmo! Talvez haja mais verdades guardadas nas suas palavras (e na sua criatividade) do que imaginou ao criar os ensaios.

Tem um parte que é bem parecida com um texto que escrevi, e que se tiver coragem, posto mais pro fim da semana. Daí, vê se consegue identificar.:P

Enfim, belo texto, como sempre!

Beijos!

aaluah disse...

vem cá, me dá teu endereço que eu te mando um doce