15 de abr de 2007

NowHere

NowHere

A glass of wine was poor down
Painting red your white dress
Truth is now unveiled
But my eyes refuse to see

I don’t know what’s going to be found
(Won’t you come around?)
Truth is to the eyes like the underground
(Have I lost in the first round?)

Defines a new way to face life
The skies, once blue, are now red and white
My soul can’t rest in peace anymore
The streets of my dreams lead ashore

(…)

A whisper I hear
From somewhere I cannot reach
Then I have figured out
This road ends nowhere

- And my dream is to be there…


Comentários pessoais:

Esse texto surgiu meio que sob encomenda. E como normalmente acho os espontâneos melhores, esse se saiu bem! É uma letra de música. As partes entre parentesis são os backing vocals... Eu nunca tinha escrito antes nada em inglês com qualquer tipo de pretenção poética. Acho que experimentar formas diferentes de linguagem é o objetivo do blog. E a proposta vem sendo seguida!

Eu tinha na cabeça, quando o escrevi, falar sobre o medo de se entregar a alguém quando da quebra do amor "platônico", enfrentar esse medo de uma forma positiva no final. Mas a Érica quando leu há algum tempo, disse: "Eu vejo um pouco como se deparar com a realidade... a perda da inocência. Mas no sentido de ver os dois lados das coisas, e não só o lado do sonho, do belo..." O que é mais ou menos a mesma coisa, só que num sentido ampliado que torna o texto muito mais interessante do que eu tinha imaginado. Acho maravilhoso imaginar a força das diversas interpretações, como elas exercem um papel extremamente ativo na leitura, mudam o texto, o ampliam, ou eventualmente o reduzem, como na leitura pseudocientifica que tentei fazer na postagem anterior (do dia 25 de Março). E ainda é legal perceber que a interpretação pode nos dizer muito sobre a pessoa que interpreta, como no claro raciocínio dialético que a grande senhorita Kika fez!
Eu ando falando muito de amor nos últimos posts... tenho que variar os temas senão vocês vão acabar perdendo a paciência. Por fim, quero estabelecer o compromisso de postar toda semana!!! Um grande abraço aos meus poucos mas fiéis leitores!

P.S.: Eu e minha velha habilidade de escrever mais no comentário do que no próprio texto! Trálálá!

6 comentários:

Edson Marques disse...

Gostei do post anterior, e também concordo: "a monogamia é um dos maiores absurdos da humanidade".


Aliás, eu sempre digo que o casamento é o túmulo do amor.

Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.

Abraços, flores, estrelas..

Érica disse...

Legal que você reproduziu as minhas palavras EXATAMENTE! O.o
Que susto até. =P
Me senti importante.

Bom, como já comentei a letra, passo a bola adiante.

Saudades de você, Vituxô! =)

Ps.: A Carol se sentiu meio tímida ao comentar no meu blog porque, segundo ela, eu só tenho amigo super inteligentes ("olha só o comentário do Vitor, por exemplo!"). =P

Morango disse...

Vituxo, que emoção, vc fez uma letra em inglês! Meu bem, acho que ficou muito boa. Me pareceu um pouco sem esperança o que aos poucos foi se desfazendo. Interessante o enredo, gostei mais ainda do título. hehehe

Espero que vc continue a postar no seu blog, te dou toda força pq eu já tive um e sei que é muito ler, mas é mais gostoso ainda escrever nele. =P um beijo

Ps.: deixa eu ouvir a melodia, deixa, deixa! rs

Carol disse...

Inicialmente, pra mim, parecia que estava sendo revelada uma mentira, e que de repente a pessoa teria que aprender a viver a realidade da verdade. O que de certa forma pode ser essa quebra do amor platônico, embora este não seja exatamente uma mentira. Mas gostei muito da interpretação da Érica.

Os textos ganham vida e sentido somente quando lidos e interpretados pelas pessoas. Senão, tudo se resume a desenhos no papel. E o grande encanto da leitura é justamente o que cada um, com sua história, seus pensamentos e sua visão da vida, acrescenta ao texto.

É sempre um novo texto para cada um que lê.

Obs: Éricabra fofoqueira! hehe.... mas é verdade.... :)

La Perdue disse...

Não me sinto com autoridade, ou até mesmo à vontade de comentar seu poema - letra de música - pq meu inglês é sofrível! Falha minha :/
Mas achei interessante o que vc colocou sobre a leitura do outro.
A subjetividade presente no texto acaba lançando sementes maiores do que os autores possam imaginar.
Essa é a riqueza dos escritos! :)

Romullo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.