29 de abr de 2007

Direito de Resposta

Direito de Resposta

Para ler este texto você deve ter lido o anterior. Talvez não necessariamente ter entendido, porque isso nem eu (que estou representado ali habilmente pelo Flávio) acho que consegui. Sei que não conseguirei responder a altura, porque o nível aqui subiu! Mas darei o meu melhor. Eu sou estou é claro representado no primeiro que fala... é talvez uma conversa que já tive com o Flávio, ou o meio dela. Peço direito de resposta!

(...)
- Efêmera!
- Quimera!
- Que me dilacera se eu não tentar.
Encontrar por meios próprios – seja a social ciência, seja por completa incompetência – a verdadeira mentira. Que se atira do sétimo andar. Cai. E, para ti, se esconde, longe do nosso alcance, no céu.
- Porque não tiras o véu? Cegas a ti mesmo por amor a que? O Romântico aqui sou eu...
- Cego-me por medo, confesso. E não me arrependo.
- Cinismo
- Não, abismo... que se revela. Que me revela. Como apenas mais um do povo. Povo que talvez reza, talvez calcula, talvez não procura, mas nunca se entrega. Inabalável em sua fé.
- Fé em que?
- Não importa. A fé basta-se, intransitiva.
- Divina Providência?
- Ou seja lá em que barco queiras me colocar. Posso colocá-lo em qualquer barco também! Mas, de um jeito ou de outro, estamos juntos! Estivemos e estaremos! Juntos!
- Para a eternidade...
- Efêmera!
(...)

*Parati é o nome de uma cidade fluminense que tem seu nome em homenagem a um Peixe Branco, seu significado em Tupi (or not Tupi?). É a cidade que cedia a Festa Libertária Internacional.

3 comentários:

Érica disse...

Vocês estão ficando mais que demais. Assim eu boio totalmente...

Érica disse...

Vitor,
a dita "sinceridade" muitas vezes não passa de uma desculpa para agredir.
Falo o que quiser no meu blog, foda-se quem não gostar. Se não quiser, passe reto. (y)
Mas se eu realmente estiver doente como acho que estou, pode ter certeza de que não te perdoarei nunca pelas palavras tão amargas quando tudo o que se precisa nesses momentos é um pouco de colo e carinho.

Passe bem.

Flávio disse...

Bem Vitor to meio correndo pq já faz vários textos seus q não consigo comentar e essas semanas ando meio cheio de coisas p/ fazer...tipo...naum vou mentir...dei uma leitura rápida no seu texto...algo q realmente eu gostaria de ter feito com mais atenção pois algumas coisas me intrigaram...mas eu o achei muito bonito e quando eu tiver tempo vou refletir melhor sobre algumas partes q eu não intendi...mas sinceramente...achei q ficou bem a altura sim...se duvidar até melhor...Um abraço kara...felicidades!E por onde anda a mAry?