13 de dez de 2009

Templo

Templo

[Silêncio]

Posso ouvir meus passos
Eles não se perdem
Na confusão da cidade

Aqui o silêncio respira
Me respira
Como se eu fosse natureza
E ele pessoa.

Posso ouvir cada sua
Golfada de ar
E durmo ao som
De uma nascente d’água

Aqui a vida pulsa em mim.
Não preciso de chave para entrar
E a janela está sempre aberta
Para a brisa que acalenta

Pertenço a este lugar
Sou este lugar
- Idílio

Terias tu coragem de entrar?

3 comentários:

Iguimarães disse...

Nada melhor que o clichê de: "o silêncio diz mais que mil palavras" e não faz nada mal lembrar drummond e suas chaves.
Excelente poesia

Carol disse...

Nossa, pra mim os sons, principalmente os altos, tem sido tão agressivos!

Com certeza sou uma pessoa do silêncio. Dá uma angústia não tê-lo.


Ah, já já vou mudar meu blog para quandoelaescreve.blogspot.com . Depois atualiza! :)

Beijo!

Carol disse...

Ei Vitor, obrigada pelos comentários de sempre!

E para Vitor e Flávio, um ótimo Natal e um Ano Novo porreta!

Bjos