17 de ago de 2009

Carta aos leitores (Leiam porra!)

Faz tempo que não posto aqui. Andei de férias, foi um bom tempo, serviu para crescer (ou pelo menos tentar) e para parar um pouco e refletir sobre a vida. E uma das coisas curiosas que eu percebi é: há muita gente escrota no mundo. A cada coisa construtiva (ou que pelo menos se pretende) que alguém faz há sempre um espírito de porco para sacanear:
Sempre há um “mala” em qualquer comunidade do Orkut que está ali apenas para discutir. Ele consegue ter a incrível capacidade (aliada à falta do que fazer) de entrar em uma comunidade do tipo “eu gosto de azul-limão” apenas para criar um tópico escrito: Eu odeio azul-limão!
Há também o sem noção que se faz de desentendido. Entra numa comunidade do Harry Potter e pergunta: “é verdade que no fim o Rony termina com a Hermione?” Nessas horas eu quase sinto pena (ou raiva, não lido bem com minhas emoções, logo não sei reconhecê-las) das pessoas que ainda param e conversam com esse tipo de gente.
Notei também que o humor das pessoas escrotas é diferente. O filme pornô é por definição algo escroto, feito por pessoas escrotas e com muitos escrotos em cena. Mas, talvez ele pecasse menos se não tivesse títulos como: “A senhora dos anéis”.
Triste é quando o cara não feliz por ter uma personalidade dubitável ainda faz questão de fazer piada com a cara de todo mundo:
Sarney no senado.
Edir Macedo dizendo que não é ladrão.
E o infeliz que após o sucesso de “Comer, amar e rezar” resolveu escrever a fanfarronice com o nome de “Beber, jogar e foder”.
Mas, fora isso, toda essa minha encheção de lingüiça serve para algo:
Eu também quero ser escroto!

Um comentário:

Vitor disse...

Sua crônica melhorou muito em termos de ritmo.

keep fishing

só não gosto do vocabulário xulo, mas é uma questão de estilo.