16 de nov de 2008

Recorte e Cole

Recorte e cole

Vivo no infinito
O momento não importa
Que eu permita abrir a porta
Para me deixar entrar.

A vida se reparte em crimes
- Quantos ainda não cometi?
Perdido nesse jogo de luzes
Ah, como eu queria estar...

Os erros se repetem
Não me amole:
Recorte e cole

Leio, eu penso, me falam, repito
O mundo é e sempre foi o mesmo
Será que ele não evolui?
E será que isso me inclui?

Penso, logo existo e
Logo desisto de tentar entender
O motivo de tamanha estupidez:
- Tenho mesmo que matar para não morrer?

Os versos se repetem
Não me incomodo
Apenas recorto e colo

Eu estava à toa na vida
Quando o meu amor me chamou
Pra dizer que não há saída
E depois de chorar se calou

Eu disse a ela “recorte e cole,
Tudo vai ficar bem:
se os erros se repetem quem
acerta deve ser imitado também"

Os versos se repetem
Não me amole:
Recorte e cole!

Os erros se repetem
Não me incomodo
Apenas recorto e colo

A grande dança não perde o bumbo
O show da vida segue seu rumo
A roda viva nos carrega a todos
E alguns espertos se passam por tolos.



Vitor Paiva Pimentel – “Poesia!?” – 10/2005


Comentários pessoais:
Não sei porque nunca postei esse poema. Ele é um dos que mais me orgulho em ter escrito. Hoje ele me dá um certo tom de nostalgia, além de me fazer perceber o quanto eu não mudei. Foi uma tentativa de fazer um poema dadaísta, conforme prescreve Tristan Tzara. Recomendo a leitura:

http://antologiadoesquecimento.blogspot.com/2005/06/para-fazer-um-poema-dadasta.html

Ganha um chocolate (é sério, pode cobrar) quem acertar todas as citações! (dica: a maioria são citações relativamente pop. Apenas uma eu considero dificíl. E há uma em que eu cito a mim mesmo, então não conta)

5 comentários:

Laura disse...

Eu até identifiquei algumas (certamente não todas). Mas não vou competir porque cortei os doces. Crueldade essa proposta.

beijos

Bruh disse...

Ah, fala sério, ficou muito bom. Muito bom mesmo. Do nível do Flávio, ó. hahaah brinks ;D
Reconheci muita coisa, mas tb duvido que todas. E você já falou tanto sobre esse texto que vou até ler.

;***

Flávio disse...

Huahauahauahau...identifiquei algumas também...depois eu posto aki...outras num tenho a menor idéia do que vc fala...
Rsrsrs...obrigado pelo elogio Bruh...
Engraçado...esse poema é como um vinho...Ou talvez seja eu q amaduresci...A primeira vez q o li...achei legal...apenas...agora vejo nele o melhor poema que eu já li seu...é genial Vitor...eh muito bom mesmo!

Renan disse...

Sensacional cara! Fiquei impressionado com o teu talento em reunir falas desconexas e conseguir um texto de muita beleza, que lembrou Caetano e Chico, entre outros, não sendo vazio de sentido. Vejo aí uma representação de uma característica rara nas pessoas, que é saber usar os ensinamentos acumulados ao longo da vida, de forma que sejam importantes em determinada situação! Saudade dos amigos blogueiros. Dos dois! Aquele abraço!

Larissa Cavadas disse...

Concordo com a idéia do seu poema. Gostei de como foi escrito.
Beijo ;*